quinta-feira, fevereiro 27

Ar-condicionado que cola na pele é criado por engenheiros

Gostou? Ajude a compartilhar! ;)

Ar-condicionado de colar na pele é desenvolvido por engenheiros para acabar com seu seu calor sem gastar eletricidade

Engenheiros da Universidade do Missouri, nos EUA, construíram um ar-condicionado de “vestir” – na verdade um adesivo para ser colado sobre a pele.

O dispositivo fornece aproximadamente 6º C de resfriamento para o corpo humano – sob uma intensidade solar de 840 Wm-2.

E, melhor de tudo, ele não exige bateria ou qualquer outro tipo de alimentação: o ar-condicionado pessoal de fato não consome eletricidade.

Ocorre que o material respirável e impermeável fornece ar-condicionado pessoal através de um processo chamado refrigeração passiva. O resfriamento passivo não utiliza eletricidade, enviando o calor para o espaço exterior por meio de um tipo de radiação para a qual a atmosfera terrestre é transparente.

“Nosso dispositivo pode refletir a luz solar para longe do corpo humano para minimizar a absorção de calor, ao mesmo tempo em que permite que o corpo dissipe o próprio calor do corpo, permitindo assim obter cerca de seis graus Celsius de resfriamento para o corpo humano durante o dia,” disse o professor Zheng Yan. “Acreditamos que esta é uma das primeiras demonstrações dessa capacidade no campo emergente da eletrônica sobre a pele”.

Além do conforto térmico, há inúmeras aplicações da tecnologia, sobretudo nos cuidados com a saúde humana, em conjunto com circuitos para monitorar a pressão sanguínea, a atividade elétrica do coração e o nível de hidratação da pele, por exemplo.

O protótipo consiste em um adesivo que deve ser aplicado sobre a pele com a ajuda de um substrato polimérico e água.

A equipe estima que terá uma versão pronta para uso em cerca de um a dois anos. Nesse meio tempo, eles também planejam incluir a tecnologia em roupas inteligentes.

“Eventualmente, gostaríamos de pegar essa tecnologia e aplicá-la ao desenvolvimento de têxteis inteligentes,” disse Yan. “Isso permitiria que os recursos de resfriamento do dispositivo fossem disponibilizados por todo o corpo. No momento, o resfriamento está concentrado apenas em uma área específica em que o revestimento está localizado. Acreditamos que isso pode potencialmente ajudar a reduzir o uso de eletricidade e também o aquecimento global.”

Mandar calor para o espaço sem gastar energia é mais barato do que se pensava.

Fonte: Inovação Tecnológica

Gostou? Então não se esqueça de compartilhar o artigo em suas redes sociais!
Também temos diversas bolsas de estudo em mais de 1.200 faculdades de todo país, em todas as áreas, inclusive em Engenharia e Energia, confira aqui: https://criativetech.com/bolsas-estudo


Imagem em destaque: Foto/Reprodução internet

Gostou? Ajude a compartilhar! ;)